Haverá um dia


Haverá um dia

Em que não te ouvirei mais a chamares-me um milhão de vezes.

Haverá um dia

Em que não dormirei mais ao teu lado, nem segurarei a tua mão cheia de dobrinhas. Admirando o teu sono. Observando atentamente a tua respiração. Cheirando-te. Admirando cada detalhe do teu rosto.

Haverá um dia

Em que tu não estarás mais assim, no meu colo, adormecido, depois de teres brincado o dia todo.

Haverá um dia

Em que os teus passos não serão mais na minha direção. E os teus abraços não serão tão demorados como hoje.

Vais ter pressa de viver! E por mais que me ames...Haverá um dia

Em que me vais querer distante.

É assim.

Sem perceber, o tempo vai-nos preparando. E cada etapa da vida vai-nos mostrando carinhosamente que pouco a pouco o filho vai alcançando o seu próprio voo.

Começa a gatinhar, andar, correr, vai para escola pede para dormir na casa do amigo... e quando menos se espera, a infância foi-se embora. E vais ouvir "Mãe, eu cresci!"

É difícil engolir. É um nó na garganta. E talvez esse seja um dos maiores desafios da maternidade... Deixar ir, mesmo querendo que o filho nunca saia de perto de nós! Dizer "Voa, filho!" mas com o coração em mil pedaços.

Enquanto nós Mães seguimos lado a lado! Cuidando, orientando, pedindo proteção a Deus.

Porque ser Mãe é assim

Colo. Porto seguro. Amor.

Texto de Rose Vicioli #amordemae

Adaptação: Maria Bragança #aquihamaes