Os novos pudins brasileiros de leite condensado que se comem em pote

10/08/2021

Adriana de Moraes já tinha criado em Campo de Ourique os seus pudins de leite condensado, uma receita tradicional da família do Brasil. Abriu um projeto dedicado a este doce, a Puddino, neste bairro lisboeta no final de 2020. Alguns meses depois volta a inovar para lançar os pudins servidos em pequenos potes, numa versão individual e para comer onde quiser.

"Podem ser levados para onde quiser: escola, praia, picnic, piscina, festas, cabazes de pequeno almoço, jantares ou batizados. Também podem ser personalizados para ocasiões especiais. 

Além de vender esta novidade no espaço de Campo de Ourique, a Puddino chegou a outras zonas do País graças a algumas parcerias. Como foi o caso da Mercearia Fina Quinta do Saloio, no Estoril, ou da Brigadeirão, no Porto.

O tradicional, só com leite condensado, o de café, o de chocolate belga, o de coco, o de baunilha, o de laranja, limão, Nutella, o de pistácio, o de chocolate com laranja e o com 70 por centro de cacau. Estas são algumas das variedades disponíveis na Puddino, que também irá encontrar no interior dos potes. Têm cerca de 110 gramas e os preços começam nos 3,10€, depois variam consoante a personalização.

Adriana de Moraes é uma das responsáveis por este projeto. Vive em Lisboa há três anos. Depois de trabalhar no mercado financeiro internacional, decidiu fazer contas à vida e virar-se para os doces. A receita nunca lhe foi passada escrita pela família, mas acabou por aprender depois de passar tanos anos a ver o doce a ser preparado na cozinha.

Dos jantares de amigos às encomendas dos clientes foi um passo pequeno. Os pedidos foram tantos que no final de 2019 começou a pensar em criar este negócio que acabou por ganhar vida. A pandemia acabou por atrasar todo o processo e poderia até ter aberto mais cedo. Agora, é na loja da Rua Silva Carvalho que são feitos todos os pudins.

A base é sempre a mesma: ovos e leite condensado. Depois são acrescentados os restantes ingredientes, dependendo do sabor que está a preparar.

O nome, Puddino, foi dado pelo irmão ainda pequeno, quando ainda não sabia que ia ter este negócio. "Ele não conseguia dizer pudim. Dizia sempre puddino."

A decoração da loja tem vários elementos que remetem para o doce. As paredes estão pintadas com a cor que remete para o caramelo e os candeeiros, feitos em exclusivo para aquele espaço, dão a ideia da calda a escorrer pela forma até ao pudim.

A loja em Campo de Ourique abriu no final de 2020 e recebe todos os que queiram provar os tradicionais pudins. Carregue na galeria para conhecer melhor a Puddino e as variedades que têm disponíveis.