Novartis, em colaboração com a SPAIC na sensibilização para a Urticária Crónica Espontânea

01-10-2019

  • 20% a 25% da população mundial sofre, pelo menos, de um episódio de urticária ao longo da vida1,2. 30,9% dos doentes com urticária crónica reportam elevado impacto na qualidade de vida3
  • A urticária crónica espontânea corresponde a 2/3 de todos os casos de urticária crónica4. Casos de urticária crónica espontânea duram em média 1 a 5 anos, contudo até 20% dos casos pode prolongar-se até 10 anos1
  • Os doentes mais afetados com urticária crónica são maioritariamente do sexo feminino (58%)2,5

O Dia Mundial da Urticária, celebrado anualmente a 1 de outubro é marcado este ano pelo lançamento em Portugal da campanha 'Leia as mensagens que a sua pele envia', que resulta de uma parceria entre a Novartis e a Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC).

O movimento pretende captar a atenção da população de forma a que esta esteja mais desperta para as mensagens que o corpo e a sua pele lhe enviam. Essas mensagens representam os sintomas de UCE, levando assim a que as pessoas valorizem sintomas como manchas avermelhadas e com relevo, comichão intensa e inchaço (edema)1.

Este é o terceiro ano consecutivo em que a Novartis e a SPAIC colaboram no desenvolvimento e implementação de uma campanha de divulgação da UCE mantendo a assinatura #eusouatuarede, e demonstrando assim que as pessoas com esta doença crónica precisam de contar com uma rede de apoio e compreensão que reconheça as suas dificuldades e necessidades. Pretende-se assim gerar um movimento nacional, que envolva a maior "mancha" possível na sociedade, de forma a chamar a atenção para esta doença que tem um elevado impacto na qualidade de vida de cerca de 30,9% dos doentes com urticária crónica3.

A comunicação será diversificada e suportada em diferentes segmentos de media e plataformas digitais como o Instagram e o site da Novartis "Uma pele para a vida", com foco nos doentes que tenham urticária assim como informações relevantes referentes à doença.

Sobre a Urticária Crónica Espontânea (UCE)

A urticária crónica espontânea é uma doença que se estima afetar de 0,5 a 1% da população mundial1. São manchas avermelhadas e com relevo que dão comichão intensa e podem, ainda, provocar inchaço (edema)1. Trata-se de uma doença complexa e incapacitante que pode ser classificada como crónica (no caso de persistir por mais de 6 semanas) ou aguda (até 6 semanas)1. A urticária crónica pode dividir-se, ainda, em espontânea (despoletada sem um fator externo evidente) ou indutível (sintomas induzidos por fatores específicos como temperatura, pressão, etc)1.

A urticária afeta entre 20%-25% da população a nível mundial, pelo menos uma vez na vida e os especialistas preveem que pelo menos cerca de 1% sofre de urticária crónica (UC) durante a sua vida1,2. Por outro lado, a UCE representa 2/3 de todos os casos de urticária existentes e, apesar de não ser causada por fatores específicos, prevalece em média entre um a cinco anos. Contudo, em 20% dos casos a doença pode-se prolongar até um período de 10 anos, estando descritos casos raros de períodos superiores a 50 anos1.

Os doentes mais afetados com urticária crónica são maioritariamente do sexo feminino (58%)2,5 e o pico de incidência da doença verifica-se entre os 20 e os 40 anos de idade1. Cerca de 75% dos doentes Portugueses com urticária crónica apresentam comorbilidades3. Destes, 52,6% apresentam doenças cardiometabólicas, 40,4% apresentam depressão, 35,1% ansiedade e 35,1% rinite alérgica3.

Para mais informações visite o site