Jogos que precisam apenas de papel e caneta

19-03-2020

Uma boa forma de se entreter em casa é tirar o pó às consolas ou aos jogos de tabuleiro. Mas, como nem todos temos a última novidade, o melhor mesmo é relembrar os clássicos da nossa infância. Ainda sabe jogar à Forca, ao Stop ou ao Detective? Para se divertir com estes jogos só precisa de papel e caneta. Não é preciso gastar dinheiro nem de ir lá fora para se entreter. Tem é de estar preparado para dar uso a essa cabecinha, pelo menos se quiser dar uma abada ao seu adversário. 


Jogo do Galo

Para dois jogadores

Este é o clássico dos clássicos: um dos mais antigos de que há memória, mas também um dos mais populares. Basta fazer uma matriz de três linhas por três colunas. Os jogadores devem jogar à vez, marcando o espaço vazio com o seu símbolo - um tem de desenhar um círculo, o outro uma cruz. O objectivo é que um dos jogadores seja capaz de fazer uma linha só com os seus símbolos na horizontal, vertical ou diagonal. Se estiver sozinho em casa, jogue contra um computador.


STOP

Para dois ou mais jogadores

Perfeito para jogar em família, este jogo requer, para além de papel e caneta, rapidez e memória. Depois, antes de se começar à séria, é necessário decidir em conjunto as categorias a jogo. Por exemplo, fica a sugestão, "Nomes", "Países", "Marcas", "Cidades", "Animais", "Objectos", "Personagens históricas", "Invenções" e "Descobertas". A seguir um jogador tem de pensar no Abecedário e outro deve mandar pará-lo, ao dizer STOP. A letra sorteada é aquela pela qual todas as palavras escolhidas para as categorias anteriormente definidas devem começar. O objectivo é que todos os jogadores preencham todas as colunas o mais rápido possível. O primeiro a terminar deve dizer novamente STOP, para ganhar vantagem sobre quem não tenha completado todos os campos. São dez pontos para cada campo completo, excepto para os jogadores com respostas iguais - se o jogador A tiver escrito o mesmo que o jogador B em determinada categoria, ambos ganham apenas cinco pontos. Também é possível jogar online através da app brasileira Stopots, disponível gratuitamente para iOS e Android.


Detective

Para cinco ou mais jogadores

Escreva os nomes dos personagens em pedacinhos de papel: deve haver um narrador, um assassino, um detective e vítimas. Dobre-os e sorteie entre os jogadores. Não se esqueça que o número de papéis deve ser proporcional ao número de jogadores. Depois todos devem sentar-se em círculo, para conseguirem olhar uns para os outros. O narrador é o responsável por narrar a história da aldeia e definir a noite e o dia. Durante a noite, todos os jogadores devem fechar os olhos, excepto o narrador, que dará ordens ao assassino, sem revelar a sua identidade, para acordar e fazer vítimas. Ao amanhecer, as vítimas que tiverem sido tocadas devem dizer "morri". O jogo só acaba quando todas as vítimas morrerem, o detective descobrir o assassino ou o assassino for expulso da aldeia. O detective, que não pode revelar a sua identidade, também pode ser morto durante a noite ou expulso da aldeia durante as assembleias diurnas. Há uma assembleia por "dia" onde os jogadores têm de decidir quem expulsam do jogo. É possível dificultar o jogo ou torná-lo ainda mais interessante, com novas personagens. Por exemplo, o beijoqueiro, que pode ressuscitar uma ou duas vítimas por jogo, ou uma dupla de namorados ou gémeos - se um morrer, o outro morre também.


Quem é Quem

Para dois ou mais jogadores

Todos os jogadores devem escrever num post-it, sem mostrar a ninguém, o nome de uma figura conhecida (um actor, um personagem histórico, um músico ou um desenho animado). Depois devem colar o post-it na testa do jogador à sua direita. Por conseguinte, à vez, cada jogador deve fazer perguntas de resposta afirmativa (sim) ou negativa (não) ao grupo - se é real, se é inventado, se é mulher, se é moreno, por exemplo. O vencedor é o primeiro jogador que adivinhar o personagem escrito no post-it que tem colado à testa.


Jogo da Forca

Para dois ou mais jogadores

Para começar, um dos jogadores escolhe uma palavra e, sem dizer qual é, desenha um risquinho para cada letra. O objectivo do outro jogador é adivinhar a palavra, escolhendo, por cada ronda, uma letra do alfabeto. Se a palavra não tiver a letra escolhida, o seu bonequinho na forca vai ganhando um novo membro (cabeça, tronco, pernas, braços). Se o bonequinho ficar completo, o jogador perde. Se adivinhar antes, vence.


Era uma vez

Para dois ou mais jogadores

Neste não há vencedores. A ideia é criar uma história em conjunto. O primeiro jogador deve escrever uma frase a começar com "Era uma vez" e dobrar o papel de modo a ficar descoberta apenas a última palavra. O jogador seguinte deve escrever mais uma frase e repetir o mesmo procedimento. No final, quando já não existir mais papel para escrever, deve desdobrar-se a folha e ler-se a história.