Jardim Zoológico partilha testemunho direto da Austrália

20-01-2020

O Zoo de San Diego partilha um comunicado oficial em vídeo onde a Dra. Kellie Leight, investigadora de campo apoiada pelo programa de conservação de koalas in situ do Zoo de San Diego (EUA), conta na primeira pessoa pelo que estão a passar os investigadores que desde o início dos incêndios tentam salvar as espécies dos fogos florestais na Austrália.
---
Em menos de uma semana, o Jardim Zoológico lança novo comunicado sobre a catástrofe na Austrália. "O constante contacto com os nossos colegas australianos tem-nos dado uma ideia muito próxima de tudo o que está a acontecer no campo e é nosso dever ajudar a partilhar esta informação", conta José Dias Ferreira, responsável pelo Fundo de Conservação do Jardim Zoológico. "O mais recente comunicado da Sociedade Zoológica de San Diego veio não só trazer-nos mais dados, mas também o arrepiante relato em vídeo onde a Dra. Kellie Leight partilha as dificuldades que enfrentam atualmente e faz uma previsão sobre os problemas que virão num futuro próximo", acrescenta.

Em comunicado, o Zoo de San Diego informa que neste momento em que os fogos que atingiram as Blue Moutains acalmaram, os investigadores do projeto preparam-se para entrar no terreno para começar a procurar animais. Devido às árvores altas e ao terreno acidentado da área, a observação visual de koalas na região não era viável pelo que, desde 2015, os investigadores usam uma abordagem inovadora de marcação por rádio para seguir os indivíduos, o que permitiu identificar e resgatar 12 koalas em perigo nestes incêndios.

No vídeo partilhado, Leigh confessa que os "incêndios estão a mudar por completo a forma como a gestão da vida selvagem será realizada no futuro, na Austrália", alertando ainda que "há um problema de escala muito maior que se aproxima agora, que é a desidratação e fome de animais, incluindo koalas. Os koalas retiram a água que necessitam das folhas que comem, mas nestes tempos de recorde de calor e seca, estão a descer até às barragens e cursos de água para tentarem beber água. Os habitats desapareceram, não têm nada para comer e muitos riachos e rios estão secos. Temos de começar a lidar com esse problema."

Segundo Megan Owen Ph.D., Diretora da Sustentabilidade Populacional da Sociedade Zoológica de San Diego "Os nossos colegas na Austrália vão-nos transmitindo as suas preocupações sobre quais as espécies e habitats que permanecerão no fim desta tragédia. Historicamente, pequenos incêndios florestais ocorreram naturalmente sem devastar uma população inteira. No nosso mundo moderno, as alterações climáticas estão a agir como um multiplicador de ameaças, criando cenários em que as espécies são repentinamente empurradas para a extinção e precisam de intervenção humana imediata para conseguirem sobreviver."

Desde 1991, que o Jardim Zoológico participa no programa de conservação in situ de Koalas, em colaboração com a Sociedade Zoológica de San Diego (EUA). No decorrer desta catástrofe, o apoio do Zoo foi reforçado e o contacto permanente com o Dr. Bill Ellis e a Dra. Kellie Leigh, biólogos de campo financiados pelo programa, tem permitido aferir acerca da dimensão da problemática, assim como quais as necessidades mais urgentes para o resgate dos animais.

Em resposta às ameaças que a vida selvagem e os habitats enfrentam na Austrália, o San Diego Zoo Global criou um site em nome próprio para a angariação de fundos, para apoiar a recuperação de koalas, ornitorrincos e outras espécies ameaçadas por estes fogos florestais - EndExtinction.org. De forma a participar nesta missão, o Jardim Zoológico vai contribuir diretamente com o seu Fundo de Conservação e vai ainda disponibilizar mealheiros no interior do parque, de janeiro a março, para que os visitantes possam também contribuir. O dinheiro recolhido nos mealheiros irá reverter integralmente para o fundo criado pela Sociedade Zoológica de San Diego, no apoio à fauna e flora australianas.