Estas são as três coisas que as crianças precisam

10-02-2020

As crianças têm necessidades psicológicas. Quem o diz é Nir Eyal, perito em psicologia da universidade de Stanford, que exemplifica estabelecendo o paralelismo que tal como "o corpo humano precisa de macronutrientes, também a psique humana tem as suas próprias necessidades para florescer". Vai mais longe e afirma que se os pais desejam criar filhos bem-sucedidos, devem proporcionar-lhes os três seguintes "nutrientes" psicológicos:

#1 Autonomia

O especialista afirma que, embora possa parecer assustador, os pais devem dar liberdade de escolha e também liberdade de controlo sobre as escolhas às crianças. Por outras palavras, em vez de impor regras, como por exemplo na utilização que fazem da tecnologia, faça-os entender a razão pela qual o tempo de ecrã deve ser reduzido. Segundo Nir Eyal, "quanto mais tomarem decisões com eles, ao invés de para eles, mais as crianças estarão dispostas a ouvir os pais".

#2 Competência

Quando estaciona o carro num lugar especialmente difícil, sente que esta é uma capacidade que domina e na qual é bastante competente. E o sentimento é de realização e satisfação pessoal, correcto? Este sentimento é importante para se ser bem-sucedido no futuro e, segundo este especialista, este é um sentimento que está a diminuir nas crianças.

Os testes padrão que, muitas vezes, têm de fazer só dificultam porque não contemplam que as crianças têm taxas de desenvolvimento diferentes. Para fornecer este "nutriente", os pais devem retirar alguma pressão e expectativas que recaiam sobre os filhos, assim como conversar para saber do que é que a criança realmente gosta e incentivá-la a desenvolver competências no âmbito desse interesse.

#3 Relação

Tal como os adultos, as crianças querem sentir que são importantes para as pessoas que as rodeiam. Mas enquanto as gerações anteriores tinham permissão para brincar ao ar livre depois da escola e formar laços sociais estreitos, hoje em dia "muitas crianças são criadas por pais que restringem o brincar ao ar livre, por receio do trânsito, predadores, etc".

Nos últimos 50 anos, o tempo livre para brincar tem vindo a diminuir, de forma contínua, o que impede as crianças de se conectarem a outras pessoas e a tornarem-se adultos confiantes. Segundo Nir Eyal, os pais devem dar aos filhos mais tempo livre para interagirem presencialmente com outras crianças da sua idade. "Tal vai ajudá-los a encontrar as ligações de que necessitam e evitar que estabeleçam estas conexões online, nas redes sociais".