Dicas para viajar com crianças

11-06-2019

Todos sabemos que viajar com crianças tem os seus desafios, mas vale mesmo a pena. As suas crianças só têm a ganhar em mudar de ares, e de certeza que após a viagem as boas memórias ficarão, enquanto as situações mais difíceis dão boas histórias para contarmos mais tarde.  

Antes da viagem

1. Tempo extra

A coisa mais importante que devem levar na bagagem - quer seja de avião, em passeios ou a viajar de A para B - é sem dúvida o tempo extra.

As crianças gostam de explorar e não sentem a responsabilidade de cumprir horários. Se incluirem no vosso plano tempo para o deambular permanente, o olhar fixo nas montras ou mesmo nas outras pessoas, as paragens sucessivas para ir à casa de banho e ainda para as famosas birras, tudo vai correr muito melhor, com mais calma e descontração.

Definam o que fazer em cada dia com tempo para as atividades planeadas, as deslocações e refeições com calma e tempo para descansar, porque afinal de conta estamos de férias...

Contem com bastante tempo em dias de viagem - as filas nos aeroportos podem levar muito mais tempo do que imaginam e o stress de ir atrasado pode estragar o começo ou o fim da viagem.

2. Reservas com antecedência

Se vão fazer um cruzeiro em família ou viajar de avião com crianças compensa reservar com antecedência: os lugares com melhor relação qualidade preço são os primeiros a esgotar e o preço da viagem tem um peso significativo no orçamento das férias.

Depois, qualquer que seja o sítio para onde vão, seja casa de familiares e amigos, acampar ou ficar em hotéis, vale a pena reservar a estadia com antecedência.

Finalmente, quando planearem a viagem decidam que programas que não querem perder e marquem com tempo. Em Londres, por exemplo, a tour do Harry Potter nos Warner Brothers Studios esgota meses antes, e se quiserem lugares a preços razoáveis para ver os musicais mais procurados vale a pena marcar antecipadamente. 

3. Fazer as malas com calma para não ficar nada esquecido

Dediquem tempo à organização das malas, para não ficarem enervados e esquecerem metade das roupas.

Ajuda ter listas já preparadas com o que se quer levar.

É bom ter algumas malas com tamanhos diferentes - suficiente para um fim de semana ou para uma semana, e malas que dão para levar a bordo dos aviões, e fazer a combinação mais conveniente em função do espaço disponível. É importante que sejam fáceis de transportar.

Também ajuda ter malas com cores vivas para ser mais fácil ver à distância (e ficam lindas nas fotos) e todas identificadas por fora e por dentro.

4. Escolher bem os brinquedos

Corremos sempre o risco de levar brinquedos a mais ou a menos. Tenham em consideração para onde vão e quanto tempo durará a viagem.

Em caso de dúvida, leve sempre os brinquedos favoritos do seu filhos, ou algum novo que tenha recebido há pouco tempo e que ainda desperte muito interesse na criança.

Os mais crescidos podem escolher os seus brinquedos - mas com a vossa supervisão, para não levarem demasiados brinquedos ou brinquedos a menos e acabarem a ter de comprar cadernos e lápis para pintar.

Há que lembrar que a deslocação é, para as crianças, a parte mais aborrecida da aventura.

Tenha brinquedos práticos com que eles se possam entreter em qualquer meio de transporte. Tablets são boas apostas para esses momentos, assim como livros, e cadernos para desenhar e colorir.

Dica: ter um saco pequeno com jogos de viagem, como cartas de uno, dominó, mikado e cubos para contar histórias.

5. Caixa de primeiros socorros

Quer seja por estarem fora da rotina, com jet-lag ou a comer comida menos saudável, parece que as crianças ficam sempre doentes nas férias.

A verdade é que durante as férias existe uma natural alteração às rotinas habituais e isso torna-nos, especialmente às crianças, mais vulneráveis a problemas e intercorrências de saúde.

Não se esqueçam por isso de levar um kit de sobreviência para as férias com crianças incluindo tudo o que precisa para primeiros socorros e os medicamentos para acudir às maleitas mais comuns.

Dica: levar o kit nas mochilas de viagem, uma vez que podem ser levadas a bordo do avião e estarão à mão caso as crianças tenham alguma emergência durante o voo. São também uma maneira prática de o carregarem durante os deslocamentos nas cidades.

Durante a viagem

6. A atitude é o mais importante

Algumas coisas vão correr mal. Nem tudo sairá como previsto. Vão existir momentos de fome, aborrecimento, dores de cabeça, vão-se perder, vão perder o comboio ou o boné de praia, o brinquedo preferido ou o radiador da autocaravana...

O segredo é não entrar em pânico nem ficar triste. Sejam mais flexíveis e continuem a sorrir.

Em vez de stressar por não conseguir encontrar o hotel, transformem esse problema numa aventura. Digam aos miúdos que vão a fazer uma caça ao tesouro e prometam um prémio a quem encontrar o hotel primeiro. Ver o lado bom das coisas ajuda a esquecer qualquer problema.

7. Dêem responsabilidades às crianças

As crianças adoram responsabilidades: sentem-se importantes e respeitadas. Por isso, aproveitem a viagem para os ajudar a crescer e incluam-nos das decisões da família desde planeamento.

Para isso, podem dar-lhes uma lista de hotéis para que possam dizer aquele de que mais gostam, deixá-los decidir que atividades vão fazer, ajudar a escolher em que dias preferem fazer cada atividade...

Se os seus filhos forem mais crescidos, conversem sobre o dinheiro disponível e as melhores formas de o aproveitar. Os seus filhos terão uma maior noção dos porquês de alguns "não" seus se compreenderem quanto dinheiro a família pode gastar.

Podem ainda criar um sistema de incentivo, dando uma quantia pequena em cada dia - desde que se portem bem e cumpram as suas responsabilidades, que eles podem depois gastar como quiseram. 

Durante a viagem atribua-lhes também responsabilidades, proporcionais ao seu desenvolvimento. Por exemplo podem ficar responsáveis por levar uma das malas com rodinhas, ou por pôr a mesa, ou por indicar o caminho para casa - também é uma maneira que os ajudar a decorar o caminho sem se perderem.

Apostem em responsabiliza-las também pela sua segurança. Perder uma criança é o pior medo quando se viaja. A primeira coisa a fazer quando se chega é definir com os filhos um ponto de encontro e explicar-lhes que têm de ter muito cuidado para não se perderem.

8. Aprendam algo novo juntos

Isto é muito importante. Aprendam a surfar, vão mergulhar juntos, andem de canoa, visitem um monumento ou museu e ouçam com atenção as histórias contadas pelos guias ou pelos locais.

Terão mais assunto para conversar sobre coisas de que todos gostem, e eles vão achar o máximo ter pais tão aventureiros e curiosos. Além de que cultura nunca é demais!

Há sempre alguma coisa nova que aprendemos, qualquer que seja a nossa idade. E viajar com crianças permite-nos ver o mundo pelos seus olhos, com a magia de e ver pela primeira vez.

9. Mergulhem na cultura do vosso destino

A oportunidade de viajar é, acima de tudo, uma experiência cultural interessante e uma forma única de alargar os horizontes dos seus filhos. Podem experienciá-la de muitas maneiras e nem tem de custar nada.

Encontrem "coisas grátis" para fazer: Feiras, concertos ao ar livre, eventos culturais, aproveitar a praia, brincar no parque, visitar museus de acesso livre, são atividades grátis e ainda assim tão interessantes.

As crianças não querem saber se a atividade é cara ou barata, eles querem apenas sentir-se incluídos e passar tempo de qualidade com os pais.

Usem transportes públicos: a maioria das crianças adora a novidade de viajar de comboio, autocarro e barco. Ponham de lado o carro alugado e os ubers e usem os transportes públicos sempre que possível. Além de poderem ver a cidade sob novos ângulos, ainda ajuda no bolso da família

Comam como os locais: aproveitem para visitar os supermercados, experimentar as street foods e os mercados típicos locais e tentem comer as especialidades típicas. Se puderem, façam até uma aula de cozinha em família.

Promovam a interação com as famílias locais. As crianças adoram fazer amigos de outros países. Aprender os costumes de alguém que não vive no mesmo país promove a tolerância e abre espaço à educação e crescimento de crianças mais felizes.

Nem sequer é necessário que falem a mesma língua - as crianças conseguem sempre comunicar. Basta levá-los a um parque infantil e deixá-los brincar com as outras crianças.

10. Escrevam um diário de viagem

(Ou melhor, deixe-os escrever). As crianças têm muito mais energia do que nós. Quando regressamos cansados ao quarto de hotel depois de um longo dia de diversão, os seus filhos ainda vão querer mais.. Dêem-lhes algo divertido e criativo, para acalmar as emoções.

Um diário de viagem é uma atividade perfeita. Guardarão as melhores memórias, ainda tão vivas, pelas suas próprias palavras. Façam também um álbum de fotografias da viagem - não precisa de ser só no regresso, já há tantos locais onde pode imprimir rapidamente os seus melhores clicks!

Podem ainda colecionar os cartões postais dos lugares visitados, escrevendo uma mensagem. Quando as crianças forem crescidas terão uma biblioteca de recordações.