Como escolher o curso certo para mim?

25/06/2021

Escolher um curso, seja ele superior, profissional ou de outra natureza, é sempre um momento muito importante. Saiba o que deve ter em conta. 

Com o fim de mais um ano letivo à porta, chega, para muitos, o momento de decidir o curso que pode ditar o seu futuro profissional. Sejam cursos de ensino superior, especializado ou de caráter intensivo. A verdade é que esta nem sempre é uma decisão fácil de tomar.

Se este é o seu caso, ou o caso de alguém próximo, existem algumas formas de o ajudar a encontrar a resposta a esta questão.

O que o apaixona profissionalmente?

Embora por vezes, e à primeira vista, possa acontecer não conseguir identificar logo, certamente existem algumas áreas de que gosta ou para as quais tem vocação.

Se conseguiu identificar logo uma área que gosta, ótimo. Mas, se não conseguiu, não desanime. Comece por elaborar uma lista com coisas que gosta de fazer, com os seus pontos fortes e fracos, e ainda os seus propósitos, metas e objetivos. Pode fazer também uma viagem ao passado e tentar perceber quais eram as suas paixões de criança e o que respondia à questão "o que queres ser quando fores grande?". Todos os detalhes podem ser importantes para chegar à resposta.

Para se tornar mais fácil identificar possíveis áreas de interesse, pode recorrer as várias listas de cursos e às suas saídas profissionais, on-line.

Não siga as pisadas dos outros, mas sim as suas 

É muito comum seguirmos as pisadas de familiares ou irmos para determinados cursos porque os nosso colegas e amigos vão. No entanto, esta é uma decisão muito importante e com grande peso no futuro. Por isso mesmo, deve também ela ser uma decisão muito pessoal.

Claro que se esse gosto for igual ao de alguém que lhe é próximo, não tem problema em seguir esse caminho. O importante é estar sempre alinhado com as suas vontades. Para além disso, também pode (e deve) procurar conselhos junto dos seus familiares, amigos e até mesmo especialistas.

A ajuda de um profissional pode ajudar

É muito comum quando os alunos terminam o 9.º ano ou o 12.º fazerem os chamados testes psicotécnicos, uma vez que estes são momentos chave em que vão decidir a área a seguir. Estes são testes de orientação vocacional e profissional, realizados a jovens e adultos, e têm como objetivo indicar possíveis carreiras académicas ou profissionais a seguir, de acordo com o perfil em causa.

Embora muitas escolas disponibilizem estes testes nos momentos decisivos, não é de caráter obrigatório. Portanto, em caso de dúvida, e se tiver essa possibilidade, procure a ajuda de um profissional. Esta ajuda profissional pode ser para realizar os tais testes psicotécnicos, ou até mesmo para uma ajuda mais especializada, como é o caso dos coaches de carreira.

No entanto, não se esqueça que não é obrigado a concordar com os resultados ou a escolher algum curso que esteja identificado nesses resultados. Estes são apenas apoios que lhe indicarão possíveis caminhos. Mas, no final, a decisão é sua!

Gostar do curso pode não chegar?

Depois de identificar uma, ou várias áreas de que goste, é ainda importante analisar outros fatores, pois o gostar pode não bastar. É necessário identificar se existem cursos que correspondem àquilo que pretende fazer profissionalmente, se tem reunidas as condições de acesso (como por exemplo a média e os exames pedidos), mas também dar resposta às seguintes questões:

  • "Esta área tem saída em Portugal ou vou precisar emigrar quando terminar?"
  • "Se só tiver saída lá fora, estou disposto a mudar de país?"
  • "Qual é a taxa de empregabilidade deste curso?"
  • "Para mim é mais importante estudar algo de que goste ou que tenha uma elevada saída profissional?"
  • "Qual é a média salarial das saídas profissionais deste curso?"
  • "Prefiro escolher outro caminho se os salários na área que pretendo forem baixos?"
  • "Tenho disponibilidade financeira para prosseguir com os meus estudos?"
  • "Preciso de mudar de cidade para ir estudar? Quais os custos? Consigo pagar?"

Estas são apenas algumas das perguntas que deve responder. Contudo, e no que toca à empregabilidade, pode pesquisar no site infocursos.mec.pt os cursos e respetivas percentagens de recém-diplomados de cada um deles registados como desempregados no IEFP (Instituto do Emprego e Formação Profissional). Mas não se deixe levar apenas pelo peso da empregabilidade e pelo salário de uma determinada área. Até porque o que é hoje, amanhã pode já não o ser.