Coca-Cola fabrica primeira garrafa de plástico reciclado a partir de lixo marinho

07-10-2019

A Coca-Cola apresentou a primeira garrafa no mundo fabricada com plástico reciclado proveniente de lixo marinho recolhido através do Mares Circulares, um projeto de sensibilização para a problemática do lixo marinho com intervenção em limpeza de costas, praias e fundos marinhos que tem implementado em Portugal e Espanha.

Graças ao trabalho conjunto desenvolvido pela Ioniqa Technologies, pela Indorama Ventures, pelo projeto Mares Circulares e pela Coca-Cola, conseguiu-se fabricar cerca de 300 garrafas utilizando 25% de plástico reciclado, proveniente de praias e fundos marinhos de Portugal e Espanha. Segundo o comunicado, "estas garrafas demonstram a capacidade das inovadoras e revolucionárias técnicas de reciclagem que permitiram transformar um plástico PET muito degradado em matéria prima de alta qualidade. São, assim, as primeiras garrafas no mundo fabricadas com material proveniente de plástico marinho e aptas para serem utilizadas em alimentação e bebidas".

O anúncio deste avanço tecnológico foi feito em Londres, durante uma jornada em que a Coca-Cola reforçou os seus compromissos e anunciou novos objetivos relativamente a embalagens para a Europa Ocidental. Em 2017, lançou o Avançamos, a sua estratégia de sustentabilidade para a Europa Ocidental, que tem como principais objetivos, para 2025, recolher e reciclar o equivalente a 100% das garrafas ou latas que comercializa, que todas as suas embalagens sejam 100% recicláveis, bem como assegurar que as suas garrafas de plástico contenham, pelo menos, 50% de PET reciclado.

Agora, a Coca-Cola atualizou os seus objetivos relativamente a embalagens sustentáveis na Europa Ocidental, entre os quais se destacam eliminar o plástico desnecessário ou difícil de reciclar do seu portfólio, através do aperfeiçoamento de embalagens e da eliminação das embalagens secundárias de plástico (filme retrátil e anilhas de plástico nos packs de latas e garrafas de PET 500 mililitros). Isto representará a eliminação de mais de 11 mil toneladas de plástico por ano na Europa Ocidental (2.600 das quais na divisão ibérica, a partir de 2020).

Além disso, a Coca-Cola eliminará, este outono, o plástico que atualmente reveste os packs de latas de 200 mililitros ou mini-cans, substituindo-o por cartão com certificado PEFC, o sistema de certificação florestal mais utilizado a nível mundial que assegura a sustentabilidade florestal. Esta medida representa a eliminação, a partir de 2020, de 1.380 toneladas de plástico na sua cadeia de fornecimento na Ibéria.

Outra das metas é conseguir que todas as garrafas de plástico sejam 100% recicláveis ou provenientes de matérias-primas renováveis, evitando assim o uso de mais de 200 mil toneladas de plástico virgem por ano, na Europa Ocidental (20 mil no mercado ibérico). Na Ibéria, a Coca-Cola antecipa ainda o seu objetivo de que todas as suas garrafas de plástico sejam fabricadas com 50% de PET reciclado, em 2022, três anos antes do previsto. Até à data, foram já dados passos significativos nesse sentido: a marca Honest Tea alterou as suas embalagens de plástico para vidro e, até ao final do ano, as suas embalagens de Honest Coffee irão conter 100% de PET reciclado. Em 2020, será a marca GLACEAU Smartwater a fazer a transição para o plástico 100% reciclado.

Além disso, a Coca-Cola vai tornar pública anualmente a pegada de carbono de todas as suas embalagens, assim como informar sobre o desempenho relativamente aos seus compromissos e objetivos de forma transparente. "Atualmente, demasiados recursos mundiais não renováveis são descartados como resíduos. Sabemos que necessitamos fazer mais para corrigir isto. Os objetivos que temos e as metas que estabelecemos hoje são ambiciosas, pois é assim que deve ser. As embalagens têm uma função importante, mas devem ser sempre recolhidas, recicladas e reutilizadas. O nosso objetivo, trabalhando em conjunto com os nossos colaboradores, é fazer com que o termo 'plástico descartável' se torne obsoleto, conseguindo que todo o nosso plástico e, logo, as nossas embalagens respondam aos princípios da economia circular", afirma Tim Brett, presidente da The Coca-Cola Company na Europa Ocidental.

Em 2019, a Coca-Cola já investiu 180 milhões de euros tanto na conceção de novas embalagens e operações, como na procura de soluções para embalagens mais sustentáveis na Europa.